Prêmio Educador Nota 10 recebe quase 4 mil inscrições de todo o Brasil

Professores e gestores dos 26 estados e do Distrito Federal apresentam, por meio dos seus relatos e projetos, boas práticas para a melhoria da qualidade da Educação Básica brasileira

O Prêmio Educador Nota 10, maior e mais importante prêmio da Educação Básica Brasileira, encerrou as inscrições da edição 2020 com quase quatro mil projetos cadastrados, vindos de todos os estados brasileiros. As regiões Sudeste e Nordeste se destacaram com o maior número de participantes, somando 64% dos concorrentes. São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco são os estados com mais representantes. Logo na sequência estão Sul (19%), Norte (10%) e Centro-Oeste (7%), onde se destacaram Rio Grande do Sul, Pará e Goiás, respectivamente.

Neste ano, o prêmio estava aberto para inciativas realizadas somente em 2019. A decisão de não aceitar projetos iniciados em 2020 foi tomada em decorrência da Covid-19, que paralisou as aulas presenciais e não permitiu o desenvolvimento integral de muitos projetos. Mesmo com a diferença em relação às edições anteriores, o número de projetos participantes registrou um crescimento de 23% no comparativo com a quantidade de inscritos de 2018, que concorreram na edição do prêmio do ano passado.

A maioria dos projetos concorrentes nesta edição é de autoria de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental (27%), seguidos por docentes dos anos finais do Ensino Fundamental (24%), Ensino Médio (19%) e Educação Infantil (18%). Completam as inscrições projetos de gestores escolares, com 12%.

As iniciativas registradas por professores do Ensino Fundamental somam 1.914 projetos, com foco principal em Língua Portuguesa (662). Ciências da Natureza vem na segunda posição do ranking (319). Os demais projetos variam entre Artes (234), Matemática (210), História (172), Educação Física (144), Geografia (86) e Língua Estrangeira (57).

Os 724 projetos registrados pelos educadores do Ensino Médio seguiram a mesma linha. A Língua Portuguesa também foi a disciplina de maior destaque (21%), acompanhada por Biologia (11%), Matemática e Artes (ambas com 9%), História e Educação Física (ambas com 8%), Química, Física e Geografia (todas com 7%), Sociologia e Filosofia (ambas com 5%) e Língua Estrangeira (4%). Na Educação Infantil, os projetos enviados se referem à atividades realizadas com crianças de 4 a 5 anos (60%) e em iniciativas com crianças de 1 ano e 7 meses a 3 anos e 11 meses (40%).

A Academia de Selecionadores – composta por grandes especialistas em didáticas específicas, pesquisadores das principais universidades do país, orientadores de graduação e pós-graduação, além de formadores de gestores e de professores em suas respectivas disciplinas – já está analisando os projetos recebidos. Além da leitura dos trabalhos inscritos, serão realizadas entrevistas com os educadores e solicitado material para a comprovação dos avanços de aprendizagem dos estudantes em suas escolas.

O Prêmio é dividido em três fases. Na primeira delas, são escolhidos 50 finalistas, que devem ser anunciados em breve. Depois, dentre eles, serão selecionados os 10 vencedores e o Educador do Ano, reconhecidos ainda em 2020. Cada um dos premiados ganha um vale-presente no valor de R$ 15 mil. O Educador do Ano, escolhido pela Academia de Jurados, recebe outro vale-presente, também no valor de R$ 15 mil. As escolas dos vencedores também recebem uma verba para celebração.

O Prêmio Educador Nota 10 foi criado em 1998 pela Fundação Victor Civita que, desde 2014, realiza a premiação em parceria com Abril, Globo e Fundação Roberto Marinho. O Prêmio reconhece e valoriza professores da Educação Infantil ao Ensino Médio e também coordenadores pedagógicos e gestores escolares de escolas públicas e privadas de todo o país. Ao longo das 22 edições anteriores, foram premiados 281 educadores, entre professores e gestores escolares, que receberam aproximadamente R$ 2,85 milhões em prêmios no total.

O Prêmio Educador Nota 10 tem o patrocínio da Fundação Lemann, SOMOS Educação e BDO e o apoio de Nova Escola, Instituto Rodrigo Mendes e Unicef. Desde 2018, é associado ao Global Teacher Prize, prêmio internacional de educação, realizado pela Fundação Varkey.