Nilma Sladkevicius

Confira aqui mais informações sobre o trabalho.

Educadora Nota 10

2019

Nilma @Roberto Setton NE
Foto: Roberto Setton / Nova Escola

Preconceito é tema para turma da EJA

Ela promoveu a reflexão compartilhada sobre a discriminação em um projeto que combateu a evasão e ajudou alunos a se alfabetizarem

Educadora Nota 10: Nilma Sladkevicius
EMEF Luiz Bortolosso
Osasco, SP
Língua Portuguesa – EJA – multisseriada (1ª a 4ª séries)
Anos Iniciais – Ensino Fundamental

Projeto: Um sorriso negro, um abraço negro
Número de alunos: 31
Duração do trabalho: 6 meses

Resumo: Educandos com idade entre 24 e 71 anos, a maioria migrante do Nordeste, traziam em suas histórias de vida a forte presença do preconceito, das diferenças raciais e dos estigmas que surgem a partir deles. Em torno desse tema, Nilma organizou uma variedade de atividades para manter o interesse de todos e, ao mesmo tempo, gerar momentos potentes para os estudantes lerem e escreverem. Os preconceitos listados pelo grupo formaram listas de palavras, que levaram a discussão de relações sonoras com outras conhecidas, como seus nomes próprios. Anotações em palestras e durante uma peça teatral serviram para reflexão sobre o sistema de escrita. A professora propôs a leitura coletiva de biografias de personalidades negras e estimulou a produção de autobiografias, considerando os saberes e possibilidades de cada aluno e aluna. O sucesso do projeto foi tanto que aumentou a procura pela EJA na escola, motivando a abertura de uma segunda turma multisseriada.

Por que o trabalho foi premiado?
“Este é um bom exemplo de trabalho na área porque apresenta uma abordagem consistente para estimular a leitura e escrita entre jovens e adultos. Nilma conseguiu selecionar o recorte temático a partir de um relato pessoal, mas não deixou o projeto caminhar apenas por depoimentos, pelo sofrimento ou pela vivência de cada um. A educadora explicitou com clareza sua consciência sobre a especificidade dos alunos e alunas da EJA, aproveitou o envolvimento inicial da turma e organizou propostas bem planejadas para iniciar seu processo de alfabetização. Para mostrar as etapas, enviou uma variedade grande de materiais: fotos dos alunos em ação; vídeos nos quais alunas discutem o tema e leem em voz alta textos selecionados para o trabalho de grupo; anotações da peça de teatro que assistiram, da palestra que participaram e da visita ao museu AfroBrasil; além das autobiografias, que mostram a variedade de saberes dos estudantes.”  Miruna Kayano, Coordenadora Pedagógica de Ensino Fundamental, anos niciais, professora do curso de formação em Alfabetização e Produção de Texto da Escola da Vila e selecionadora do Prêmio Educador Nota 10

Veja também

Nova Escola Professora de EJA cria projeto de alfabetização sobre preconceito
Veja Professora Nilma Sladkevicius: alfabetização e combate ao preconceito
Futura “Um sorriso negro, um abraço negro”
Diversa Como trabalhei preconceitos para empoderar turma da EJA
Educa 10 Podcast do Educador Nota 10 com Nilma